sábado, 25 de fevereiro de 2012

Aos calouros

Se um dia me dessem a incumbência de escrever algo para deixar para a posteridade, dissessem: “de tudo o que você escrever, só vai sobrar isso”, acho que escolheria um apelo aos recém-ingressos na universidade. Algum manual do tipo “A melhor forma de aproveitar a universidade, baseado em evidências e narrativas daqueles que apesar de tudo conseguiram se formar”.
Algo que os fizesse entender a importância de levar a sério o compromisso de fazer valer a pena essa vida que se inicia. Mostrar que o tipo de profissional no qual se tornará não tem relação com a quantidade de cachaça consumida, de aulas não assistidas, e de 5,75 tirados. (Tenho 2 grandes amigos que foram os campeões de 5,75 e demais quesitos supracitados e hoje fazem residência médica na Unifesp e Unicamp. Repito: é baseado em evidências!)
Alias, ouso dizer que o melhor profissional está muito longe de ser aquele que dedicou todo o tempo de faculdade aos estudos. O que está em jogo não é simplesmente sua formação técnica, mas também sua formação humana, seu caráter, que será moldado de acordo com as experiências que você se permitir ter neste período, aliadas a base que você já trás de antes. Em nenhum outro momento da vida você conhecerá pessoas tão diferentes, com formas de pensar e agir distintas da sua, que te farão entender que existem muitas possibilidades além das que você era capaz de imaginar.
O ideal mesmo é que houvesse um tutor para cada calouro, ou grupo de calouros. Um veterano, quase formado, o qual o calouro devesse consultar (e seguir cegamente) toda vez que ficasse em dúvida diante de questões elementares, do tipo “hoje é sexta: estudo pra prova de segunda ou vou pra festa?”, ou mesmo “Agora é noite de domingo, a prova é amanhã e não estudei nada, to de ressaca da festa de ontem e a galera ta chamando pra ir pro bar: estudo ou chego bêbado na prova?” Por que afinal, independente do perfil da pessoa que entra, todos saem pensando: Poderia ter aproveitado mais.
Enquanto vou articulando a idéia e angariando colaboradores para a versão completa do manual, deixo aqui alguns tópicos que julgo fundamentais para um bom proveito dessa memorável etapa de nossa passagem terrena, a que chamamos vida universitária:

- Vá a todas as festas universitárias que conseguir, o ideal é que tente fazer isso até o final da faculdade, independente do curso que estiver matriculado e sua carga horária. Vá desde a mais tradicional até o happy hour da Oceanografia (que pode ser muito mais legal do que você imagina). Por vezes os interesses vão mudando, e vão surgindo outros compromissos. Mas é importante tentar, essas festas te proporcionarão... várias coisas.

- Administre suas presenças em sala de aula e falte o máximo que puder. Não há motivos para ficar feito zumbi ou dormir na frente do professor. Mesmo as melhores faculdades tem várias aulas ruins, que imploram para que você aproveite melhor seu tempo. Depois de formado você não terá chance de matar o trabalho. Aproveite enquanto pode.

- Cole sempre que precisar! (e seja generoso caso alguém por perto necessite) Você já passou no vestibular e não precisa provar a ninguém que é capaz de tirar boa nota num teste. A maioria das provas que fazemos não prova absolutamente nada; vivemos num sistema de avaliação completamente arcaico e deficiente. Ademais, dividir o conhecimento com o semelhante é uma das coisas mais nobres que você pode fazer (tudo que integra é bom, tudo que separa é ruim)

- Mesmo que o melhor curso na área que você escolheu esteja na sua cidade natal, vale a pena priorizar estudar fora de casa. Você terá experiências muito valiosas tendo de se virar sozinho e não precisar dar satisfação a toda hora. Além disso, muito da faculdade quem faz é o aluno, dependendo de como você levar a coisa, não fará diferença alguma.

- Viaje o máximo que puder, seja para fazer estágio (em outro estado ou outro país) ou mochilão com os amigos. Essa é a época pra isso, só tem a enriquecer sua forma de entender as coisas, e saber lidar com as adversidades, além de toda diversão da viagem! (Não ter dinheiro não é desculpa – faça monitoria, estágios remunerados, pesquisas, lave os pratos do RU; Quem quer, sempre consegue – baseado em evidências!)

- E fundamental: Faça muitos amigos. Trate todo mundo bem e não prejudique ninguém. Com certeza você se decepcionará com algumas pessoas, e é provável que você mesmo também decepcione outras. Mas a maioria das coisas mostrar-se-ão pequenas bobagens, e nesse meio de caminho, essas mesmas pessoas se revelarão pessoas fantásticas, a quem chamaremos verdadeiramente de irmãos, e que iremos querer ter por perto por toda vida.

5 comentários:

Lenise Almeida disse...

Realmente.... hahahaha. A cada frase lida me veio as lembranças de experiências vividas.
Fato! Aproveitar o máximo, não só na faculdade, mas em todos os momentos da vida. As vezes nos preocupamos demasiado com indagações simples a qual nós mesmos deixamos as complicar.

A universidade aperfeiçoa os que colam em provas e ensina os que não sabem colar ou passar a cola.
Ensina a sair de situações ferradas como ser pego colando, claro que isso se caso vc não tenha ainda aprendido a colar direito, pois fique sabendo... Depois que aprender nem Chuck Norris te pegará colando.


Morar fora da cidade ond seus paiis moram.. Uma ótima experiência -eu que o diga rsrsrs- profissional, pessoal e também espiritual.
Mas Pedro será q se tivessem veteranos sempre movendo os calouros os mesmos não iriam deixar d quebrar a cara muitas vezes e aprender com isso? Afinal esse q é o divertido, SE FERRAR, se ferrar legal para depois rir de tudo qdo acabar.
HAHAHA me ferrei muito e vou continuar me ferrando ainda mais agora mudando de cidade novamente.
Universidade, só quem passou sabe o que realmente é ser um " lascado réi" já diziam meus amigos nordestinos hahahaha. Quem é universitário aproveite, pois esses anos serão os que mais mudarão sua vida, formarão opiniões ou mesmo só aperfeiçoarão as já existentes, mas que formadora d opinião é definidora de caráter, sim! Isso é universidade, não passe por ela, viva ela ;)

Bianca Poffo disse...

É! Lendo seu ótimo texto vieram muitas lembranças e lições que eram necessárias pro crescimento acadêmico e pessoal... como é estranho se formar e perceber que essa fase passou tão rápido, até porque calouro tem pelo menos 4 ou 5 anos pra terminar a faculdade e pensa -nossa, isso vai demorar muito ainda pra acabar! Experiência única na vida.
Valeu Pedro!

March disse...

muito bom o texto!! Acho que tem ótimas dicas para os calouros. Pena que eles nao nos ouviriam e continuariam frequentando as aulas de biocel e antropologia. Realmente morar fora e frequentar este tipo de aula obriga o cidadao a amadurecer na marra! E não é pela qualidade do novo lar e das aulas que o beneficio ocorre, e sim pela ausência dela!!! aeuheauihaeu

Cesinha disse...

Pedrão,
me desculpa!
não consegui esperar o jogo do porco-mais-lindo-do-mundo para ler seu texto. Tive que ler logo! hahaha
Muito bom!
Esperarei ansioso o Compêndio (palavra que resume bem o que esse manual deve ser). hahahaha

Grande abraço

M disse...

auehuaehaeu
Eu me candidato a escrever qualquer capítulo que se aplique.. apesar de que minha especialidade provavelmente seria: Falte os 25% permitidos com sabedoria! Saiba como:
auehuaehuaea
Adorei o post, estou com saudade de você.
Beijo
Manu

Seguidores

Quem sou eu

Médico da atenção básica de Sombrio - Santa Catarina. Escreve para o site da prefeitura, neste blog e eventualmente em outro veículos. Estuda filosofia. Toca violão e alguns outros instrumentos, nenhum verdadeiramente bem.